Dia da Espiga: “Por onde maio passou, tudo espigou”

9 Maio 2024

Segundo a tradição, o Dia da Espiga, era considerado “o dia mais santo do ano”, um dia em que não se devia trabalhar, e as pessoas partiam num passeio matinal pelos campos para colherem espigas. Era também chamado “o dia da hora” porque havia uma hora – o meio-dia – em que tudo parava, “as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam”.

A tradição manda que na Quinta-feira de Ascensão, comece o dia com uma caminhada matinal pelos prados, feita geralmente em grupos ou em família. Esta caminhada tem como objetivo a colheita de espigas para, posteriormente, fazer-se um ramo que inclua também flores silvestres.

As flores e as plantas que compõem o ramo não são sempre as mesmas: variam de região para região, de acordo com a biodiversidade que cada terra oferece. No entanto, há elementos que surgem quase sempre, e cada um deles com uma determinada simbologia:

  • As espigas representam o pão, como a base do sustento da família, e a fecundidade.
  • papoila significa amor, vida.
  • malmequer simboliza a riqueza e prosperidade.
  • A presença da oliveira significa Paz e a Luz Divina. 
  • alecrim representa a saúde, força e resiliência.
  • videira simboliza o vinho e a alegria.

Ditam os antigos costumes que o ramo deve ser colocado atrás da porta de entrada de casa e apenas deve ser substituído no ano seguinte, por um ramo novo, como símbolo de sorte e prosperidade do lar.

© Companhia das cores para Horto do Campo Grande